Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Eid mubarakEid mubarak

Eid al Fitr significa, literalmente, "celebração do final do jejum", e acontece no primeiro dia do Shawwal, décimo mês do calendário islâmico. É uma das festas mais importantes do Islam, realizada após um mês de abstenção de todos os tipos de vícios e repleto de boas ações: o mês sagrado do Ramadan.

A cerimônia começa pela manhã com uma oração realizada na mesquita, que também pode acontecer em outros locais caso o espaço seja insuficiente. Para dar início, recita-se o Takbir, uma reza que louva a grandeza de Deus. Após a oração, os fiéis ouvem o sermão do Sheikh (khutba), e uma oração especial que pede perdão e ajuda a todos os muçulmanos do mundo.

Em países de maioria islâmica, a festa pode durar até três dias. Em alguns lugares é tradição que, após o período de orações, as pessoas se visitem e troquem presentes e a família almoce na casa do parente mais velho. A essência da festividade é que cada muçulmano congregue com sua família e a comunidade, exercitando a generosidade e o perdão.

Câmara de Comercio Brasil-Irã negocia com o Banco Central

Postado 2016/06/16

Diretores do BC com a presidente da Câmara de Comércio Brasil-Irã (no centro) em recente encontro em BrasiliaDiretores do BC com a presidente da Câmara de Comércio Brasil-Irã (no centro) em recente encontro em BrasiliaCâmara do comércio e indústria Brasil-Irã negocia com Banco Central do Brasil em ativar um relacionamento bancário para facilitar exportação e importação entre os dois países, direto e sem intermediários e offshores. Segundo a presidente da Câmara de Comércio, a empresaria Romana Dovganyuk essas ações são de grande interesse para o Brasil cujas exportações vêm caindo nos últimos dois anos em comparação com anos passados.

Em 2014 Brasil vendeu para o Irã – 1,8 bilhões de dólares e em 2015 só 1,66 bilhões, comparando com cinco anos atrás a onde exportação eram mais do que dois bilhões de dólares.

Romana é de opinião de que vale a pena não só pensar, mas reagir para flexibilizar algumas ações burocráticas no sentido de fortalecer cada vez mais a balança comercial entre os dois países.